Botrytis Cinerea: vinhos com “podridão nobre”

botrytis cinerea
Uvas botritizadas


Os vinhos denominados botritizados são elaborados a partir de uvas atacadas pelo fungo Botrytis Cinerea. Ele é conhecido como “podridão nobre”, já que é o único fungo considerado benéfico para as vinhas.

Esses fungos se desenvolvem em locais com muita umidade e altos índices pluviométricos. Contudo, o seu aparecimento nas vinhas só terá conseqüências positivas em condições especiais de clima. Noites úmidas seguidas de dias ensolarados e secos, além da fase final de maturação, são ideais para a Botrytis Cinerea.

Caso a umidade se mantenha e haja excesso de água, as uvas podem apodrecer e a colheita se perder, sendo considerado como podridão cinzenta.

Estes fungos aparecem sobre as uvas como um pó acinzentado e, por isso, recebem o nome Cinerea – em latim significa “cinza”. Eles fazem perfurações muito finas nas cascas das uvas, permitindo que grande parte do seu suco evapore. Esse processo causa desidratação e aumenta a concentração de sabores, açúcar e acidez.

A Botrytis Cinerea no vinhedo

botrytis-cinerea
Uvas botritizadas

A colheita deve ser realizada manualmente e em diversas fases,já que a Botrytis Cinerea não ataca de forma linear. De maneira seletiva, o produtor deve colher os cachos mais afetados antes, evitando misturar com os cachos saudáveis.

O mosto extraído dessas uvas é relativamente limitado e, por isso, estes vinhos são produzidos em pequenas quantidades. Para se ter ideia, uma vinha normal produz de três a quatro garrafas de vinho. Já os vinhedos atacados pelo fungo, serão necessárias uvas de seis a oito vinhas para produzir uma única garrafa da bebida.

Não é possível estimular nem evitar o ataque desse fungo, e por isso, os vinhos botritizados são obtidos apenas pela natureza. Sauternes, ao sul de Bordeaux, na França, e Tokaj, na Hungria, são os dois únicos terroirs que conseguem produzir estes vinhos com qualidade, quantidade e regularidade. Nessas regiões nascem, respectivamente, o Château d’Yquem e o Tokaj. Esses são dois dos melhores e mais conhecidos rótulos elaborados a partir da botritização natural das uvas.

Mais um vinho para provar

Diante de todas as circunstâncias mencionadas, fica evidente o porquê estes famosos vinhos doces são tão especiais, raros e caros. Se tiver a oportunidade, deguste um rótulo elaborado com uvas botritizadas e surpreenda-se. Apesar de raros, vale a pena ver o que a Botrytis Cinerea pode fazer pelos vinhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *